PONTOS DE VENDA

PONTOS DE VENDA
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Um recado para o nosso Ministério da Cultura e os estrategas de conteúdos na comunicação social, esperando sempre que sobre algum tempo na agenda da promoção do ku-duro, kizomba, misses, igrejas e carnaval


Entrevistas com as académicas Inocência Mata (São Tomé e Príncipe) e Inês Machungo (Moçambique) no âmbito do Simpósio Mundial de Estudos da Língua Portuguesa.

Citação

“Eu tenho uma tese e uma conduta como escritor. Eu defendo que o escritor deve ter a liberdade de escrever sobre tudo o que quiser e da maneira que entender. Não sou fundamentalista, nem num sentido nem noutro. Portanto eu não entendo porque é que muitas pessoas têem preconceitos, porque são preconceitos mesmo, em relação à poesia social e à poesia política. Do mesmo modo que não entendo porque é que outras pessoas têem preconceito em relação à poesia mais experimental, mais formalista, às correntes mais ou menos herméticas. A QUESTÃO QUE SE PÕE É SE OS ESTILOS SÃO LITERARIAMENTE BEM CONSEGUIDOS OU NÃO. De resto, o autor, consoante a sua maneira de ver as coisas, o seu estilo de vida, a sua opção, a sua sensibilidade, o seu estado de espírito, de acordo com a conjuntura em que vive, pode num dado momento escrever textos de um tipo e textos de outro tipo.”
(João Melo, escritor, jornalista, docente e político angolano. In "Pessoas Com Quem Falar", 2006, p. 149. União dos Escritores Angolanos)

Citação

“Qual é a rapariga que não escreveu poesia sobre as suas paixões? Ou quando está muito triste por qualquer motivo? Claro que já escrevi poesia, mas deitei fora. Tenho noção da mediocridade  – o que muita gente não tem, acho… Poesia não é expressão de sentimentos: para além do génio, há o trabalho artístico, que a teoria literária não ensina. Se assim fosse, todos os professores de literatura seriam óptimos escritores.”
(Inocência Mata, académica e ensaísta santomense. In "Pessoas Com Quem Falar", 2006, p. 137. União dos Escritores Angolanos)

Crónica | Milionários também, modéstia à parte

Das justiças, ou não, da vida e das convenções.

Certa vez, no uso da palavra, determinado líder partidário na oposição discorria a sua prelecção sobre as falhas da governação no seu país. Do amontoado que é a prolixidade congénita em um discurso político-partidário, destaco por ora o parecer negativo do orador no que concerne à equidade e por aí vai.

Tomada a palavra, um eminente opositor à oposição nestas andanças chamou a atenção para a necessidade de um diagnóstico razoável e quê e tal. E não se achando suficientemente esgrimista, mas sem dispensar a elevação a si também costumeira, teria acrescentado à guisa de réplica o que reproduzo a seguir, exercício para o qual convoco a margem de erro de quem cita de memória e a soberana subjectividade de um cronista:

"Excelência, a própria vida é injusta; repare como está montado o cenário desta nossa conferência: Vossa excelência está protegido pela sombra e em assento confortável, enquanto nós estamos ao sol. Vossa excelência não pediu isso, pelo que eu saiba, é o tratamento que a organização julga merecerem os convidados do vosso ilustre nível."

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Divulgando | Livro «Meu Irmão, Meu Amigo», da autoria do brasileiro Francisco Paiva Carvalho está disponível para download no formado e-book

Dois irmãos. Dois grandes amigos. José Maria e Joaquim têm uma ligação muito forte de amor, admiração e cuidado um com o outro. Dois irmãos inseparáveis, que não deixariam de estar lado a lado nem mesmo se o acaso ou o destino tentassem impor o seu afastamento. Uma semana antes das férias escolares de julho, devido a um trágico acidente, eles são obrigados a se separar para sempre. Mas José Maria acaba criando uma estratégia e, assim, consegue preservar o irmão do sofrimento incontido que parecia inevitável. Clicar aqui para aceder ao formato e-book 

Humor | "u-b-U", a fórmula da victória de um capitão recém-promovido

Foi contado por Alberto Mukanda, da Associação dos Técnicos Médios de Saúde, durante um workshop há mais de dez anos, quando andávamos na sociedade civil, qual pilares de ONG nacionais que tínhamos fundado e em vias de consolidação. Pois cá vai:
Promovido certo capitão a comandante do seu quartel, vinha com isso o dever de proferir umas palavras lá da tribuna para os soldados. A expectativa era grande, sobretudo para ouvir o anúncio das linhas de força, iletrado que era o novo chefe:
- Compatriotas, quero aqui saudar a parada e anunciar que as coisas têm que mudar. A regra é "u-b-U".

A parada foi apanhada desprevenida, a sigla era de todo desconhecida. De facto, sempre se pode aprender com iletrados. Mas "u-b-U"? Será algo que se coma?, você eventualmente se questionaria.

- Pois - diria ele - "u-b-U"... Quer dizer, "us piquenu bedece Us grandi".

terça-feira, 26 de abril de 2016

Diálogos com a sombra

Trecho | África na literatura - romantismo?

"Falar de África nos termos do pessimismo de romancistas africanos, ou da literatura de viagem, é algo que poucos escritores angolanos tenham feito. O que é compreensível se concordarmos que um dos mais preocupantes traços da literatura angolana é o seu total desfasamento da realidade social. Há muito poucos escritores que conseguem compreender esta sociedade com a acuidade e a profundidade dos nossos letristas de kuduro e rap, por exemplo. A única excepção, que eu saiba, é Albino Carlos, no seu romance de estreia, Olhar de Lua Cheia. Raramente li descrições tão cruas e reais sobre a vida dos musseques. Luandino Vieira criou o seu estilo de falar dos musseques, muito romantizado, como se o seu grande desafio fosse apenas escrever poeticamente sobre estes espaços. Existe muito pouco espaço para romantismo nos musseques de Albino Carlos, no pós-independência, durante os piores anos do país – culpa também da longa guerra civil. No musseque, escuro e lúgubre, as pessoas matam-se por muito pouco, prostituem-se para alimentar os filhos, e sempre a gravidez precoce a mostrar às adolescentes a ilusão que é a luta por uma vida diferente da que tiveram os seus pais. Tudo cheira a álcool, vidas destruídas e lares desfeitos."
 (António Tomás, in portal «Buala», 26 Novembro 2012. Disponível na Internet)

Um elogio ao Jornal Cultura pelo título

Longe de querer qualquer polémica, também entendo que o valioso contributo que o ilustre José Carlos de Almeida presta à sociedade com normas de língua portuguesa e etiqueta é, no espírito e na forma, uma extensão do seu ofício de professor. Não tendo por base de trabalho a matéria literária nem a imaginação, impor-lhe como escritor (e as suas obras como literárias), conforme faz o resto da imprensa (sobretudo as televisões), não parece honesto.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Celestina Fernandes com livro infantil no Brasil | Kalimba é o título e sai pela editora Kapulana

De acordo com a nota de imprensa que o Blog Angodebates recebeu da Editora Kapulana, com sede em São Paulo, República Federativa do Brasil, Kalimba, o novo livro da escritora Angolana Maria Celestina Fernandes, tem 32 páginas e está a ser comercializado ao preço de 30 Reais (proximamente mil e 500 kwanzas). Conta com ilustrações de Brunna Mancuso, de nacionalidade brasileira.

Através de contos, outras crianças podem conhecer a cultura angolana e a sua tradição oral, tendo como personagens centrais o menino Kababo e o seu pássaro Kalimba. A cena decorre no Moxico, leste de Angola, num tempo remoto e de seca.

“Esvaziados os celeiros, pouco ou nada mais restava para enganar os estómagos. Em todas as cubatas ouvia-se o choro das crianças famintas, os adultos lamentavam-se e não viam forma de sair daquela situação aflitiva.O que ninguém esperava é que Kalimba, um pássaro com poderes mágicos, e seu dono, Kababo, poderiam ajudar a comunidade a superar os momentos de dificuldade”, lê-se

Membro da União dos Escritores Angolanos, Maria Celestina Fernandes nasceu no Lubango, província da Huíla. Cresceu e vive em Luanda até hoje. É assistente social e jurista. Começou a escrever no início da década de 1980 com publicações em jornais. O primeiro livro infantil saiu em 1990. Também escreve para adultos.
Gociante Patissa, Benguela, 25.04.2016

Eu diria o mesmo

P: No teu caso, o que preferes, declamar ou dizer poesia?
R: Dizer! Declamar tem um ar demasiado teatral. Dizer poesia toca-me mais.
(Citando de memória um artista português em entrevista televisiva durante um exercício de construção de poemas a partir de palvras soltas)

malária

Por cá, já não sei se a malária ainda depende do mosquito; cada vez acho mais que tem iniciativa própria

domingo, 24 de abril de 2016

[Oficina] Crónica | Kizombas da minha alma!

Texto de Lauriano Tchoia, Luanda, 23.04.2016
As minhas Kizombas brilham no sapato fino do passista, na pista que facilita o toque que conduz a dama na ginga rítmica do meu semba e fazer sair sorrisos coniventes entre elas, sob o olhar atento do garino que não risca nada e se esborracha em ciúmes.
“Vai pra academia rapaz, e sais daí Mateus Pelé”!

As Kizombas minhas confundem-se com as do Proletário cuja saia matou bwé de malandrecos, quanto ao número consultem o censo, por favor. “Suplico que não me trates assim, não aguento estas remexidas de me fazer ver magias e dunas em pleno mar do Malembo, eu não mereço isso!”

Diário | Por falta de prato?

“Vens daonde?”
“Fui ali numa sentada…”
“Então, amiga, domingo sem fazer nada, você bate um bom copo e não convida?!”
“Não tinha a ver com copos, amiga…”
“Então estou curiosa.”
“Estás a ver o mano coiso?”
“Ya. Aquele, tipo coiso, assim um pouco… né? Estou a ver.”
“Ele está com boa ideia. Se você quer também pode entrar. Estou já a te convidar.”
“É ideia de como então?”
“De formar uma colectividade de trabalho generoso.”
“Isso assim é como?”
“De fins não-lucrativos… para socorrer os necessitados…”
“Ó coisa, uma gaja está aqui desempregada, ainda vou trabalhar sem lucros? E quem vai pagar os meus vícios, as minhas vaidades, hã, quem?!”
“O mano coiso já pensou nisso. Ele já falou mesmo que assim que os apoios começarem, os primeiros necessitados somos nós. Já viste se você desmaia na hora de entregar um prato por falta de prato?…”
"até porque as tias não vão aceitar a nossa doação de roupas se formos lá de tangas, não é?..."
GP, Katombela, 24.04.2016

sábado, 23 de abril de 2016

KAMBA LYANGE BUNGO WAKWELA (o meu amigo Bungo casou-se)

Não podendo ficar para mais tarde e acompanhar o copo d'água, aproveitei a circunstância da porta de igreja ontem à noite no Lobito para fazer uns clics. Felicidades, amigo e conterra Cornélio Bungo Dumbo Casseque 

Praticando fotografia | primeira experiência em HDR e/ou Bracketing

sequência de três fotografias com Nikon D7000, mais tarde mescladas no photoshop: a) f/10; 1/250; ISO 100 * b) f/14; 1/500; ISO 100 * c) f/9; 1/100; ISO 100 * Lente Nikkor 18-140mm, distância focal 85mm, às 15h37 minutos, usando monopé apenas

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Já disponível no mercado brasileiro | ALMAS DE PORCELANA | Poesia de Gociante Patissa reunida em livro impresso sob iniciativa da editora brasileira Penalux.


NOTA DA EDITORA

"Ao mergulharmos no universo de Almas de Porcelana, temos que nos desamarrar daquilo que guardamos do significado de “fragilidade”. Agarrado à imagem da porcelana, Patissa sabe construir a beleza daquilo que um dia foi apenas mero barro, mas graças ao calor da poesia e ao talento do poeta transfigura-se em algo de inestimável valor. Sua fragilidade reside na apreciação pacífica que emana de seus poemas sensíveis, preciosos; há neles belas filigranas de esperança, como num delicado conjunto de fina porcelana, em cujas peças brilha um arremate de debruns nostálgicos. No vigor destes poemas, evidencia-se a demonstração de como se processa a força nos indivíduos, herdeiros de passados árduos, roubados e massacrados (ou, no mínimo, ignorados). Indivíduos que, através da própria resiliência, transformam sua vida em arte. De alto nível. As terras verde-amarelas, tão fatigadas com histórias estereotipadas sobre nossos irmãos africanos, não poderiam mais esperar para apreciar as importantes – e inevitáveis – palavras de Patissa, poeta com quem comungamos os Cantos da África e a Língua de Camões." (orelha do livro)

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Citação

“Às vezes basta um segundo para arruinar uma vida, às vezes toda uma vida é insuficiente para esquecer um único segundo.”
(Do filme italiano "Que mais quero eu", de Silvio Soldini, 2013)

Opinião | Ainda os quatro chineses assassinados e a desproporção no tratamento

É louvável o trabalho que a TPA faz em denunciar, chamar especialistas para comentar, no seu papel pedagógico de promoção da cidadania e harmonia social. Tão louvável que deve continuar, mesmo quando a roçar o excesso. Só esta semana, já vi pelo menos mais de cinco vezes a reportagem do "Segurança Pública" sobre o assassinato de quatro cidadãos chineses, ocorrido em Janeiro deste ano em Luanda, perpetrado por um grupo de oito angolanos que se fizeram passar por vendedores de terreno, liderado alegadamente por um cidadão de nome Nataniel. Nesta matéria em particular, ressalta-se a eficiência da polícia que despoletou a investigação depois de reportado o desaparecimento pela esposa de um dos malogrados orientais e culminou com a localização dos corpos dois meses mais tarde. É esta sinergia que o cidadão espera, não apenas no esclarecimento dos crimes, senão também na responsabilização dos autores/culpados, independentemente do status da vítima, partindo do princípio do valor absoluto da vida. E os mais honestos concordarão comigo em como igual visibilidade não tem sido dada aos casos em que são bandidos cidadãos chineses. A história recente de Benguela mantém indelével o infeliz desfecho do caso do kínguila (cambista informal) que foi raptado, roubado em mais de 30 mil dólares e assassinado por uma quadrilha de chineses, cujo cabecilha, muito misteriosamente, para dizê-lo de forma generosa, não chegou a ser julgado porque, à data, simplesmente evaporou da cadeia por ordem de alguma entidade angolana não identificada. Nem se sabe a quantas anda o caso daquele chinês que assassinou em Luanda o seu enteado angolano de oito anos de idade. Bem sei que nesta sociedade das conotações é um risco dizer isto e assumi-lo, mas faço-o por imperativos de consciência, já que o kínguila podia ser um familiar meu, para além de concidadão, assim como o menino que provavelmente tinha muito a dar ao país. O que defendo é uma sociedade onde a justiça funcione independentemente do sobrenome, da ocupação social e da cor do passaporte. É para isto que os nossos pais lutaram. Os meus pêsames às famílias, sejam angolanas, sejam chinesas. E para não se pensar que estou contra a TPA, pois é a ela que geralmente dirijo reparos, esclareço que por opção não tenho instalada parabólica em casa, não havendo por conseguinte acesso a qualquer outra estação televisiva a quem "monitorar".
Gociante Patissa, Benguela, 21 Abril 2016

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Novidade para amigos no Brasil | Acaba de sair pela editora PENALUX o livro "ALMAS DE PORCELANA", colectânea de poemaa do escritor angolano GOCIANTE PATISSA

Para os meus amigos, conhecidos e leitores em geral no solo brasileiro, finalmente está nas bancas o livro "Almas de Porcelana", que reúne poesia do escritor angolano Gociante Patissa através dos livros Consulado do Vazio (KAT, Benguela 2008), Guardanapo de Papel (NosSomos; Vila Nova de Cerveira, Portugal 2014), alguns inéditos, bem como textos dispersos em Antologias e revistas publicadas em Portugal, Brasil e Moçambique. Para mais informações, queiram contactar directamente a loja virtual da editora Penalux  Grato pela aposta, caros Tonho França e Wilson Gorj

Diário | Tens pressa?

"Aqui afinal tem quê?"
"Mas está cheio, yeah!..."
"Só estou a gostar do som. Adoro esta música, amiga, adoooooro!"
"Eu também. Uma gaja até imagina numas bandas, umas cenas, numas horas..."
"Vamos ainda entrar, amigona. Tens pressa?"
"Nada! Já lavei loiça. Também a minha mãe não está em casa, que é chata."
"Não acredito! Toda essa gente afinal é para feira do livro?!"
"Isso é brincadeira! Euzinha, perder o meu tempo no livro?! Só se for kamasutra!"
GP, Benguela, 20.04.2016
www.angodebates.blogspot.com

Crónica | As ruas da cidade têem uma dimensão de jornal

Precisava de dar uma volta pela cidade, volta mesmo como quem dialoga com as avenidas e os acontecimentos dos últimos dias. Há muito por onde pegar. Dito de outra forma, as ruas cá da cidade, no que já se fez tradição, têem uma dimensão de jornal, não já o mural, mas o ambulante. Na berma, na calçada, na esplanada de bar, à beira-mar, no banco de trás do kupapata. O parlamento é qualquer lugar que respire.

A mortalidade em níveis preocupantes no Hospital de Benguela já vai gasta enquanto tema, sobretudo depois de ter saltado para a mesa do governador e com isso a criação de uma comissão para acompanhar o caso. Se já chegou ao chefe, então o parlamento ambulante aplaca o assunto e logo destaca outro tema. Mas há um tema que parece ultrapassar esta lógica tácita dos ciclos do lamento social.

A boca que não sai de moda é mesmo ainda da malfadada crise, a económica e de ramificações incalculáveis. É ver como cada vez mais desfilam senhoras transportando à cabeça recados afrodisíacos em forma de negócio. Sim, aquela coisa de zungar rodelas de mandioca crua com ginguba (amendoim)… hum! Assim já é para dizer o quê, que os maridos estão a tirar negativas na hora de dar vez à libido? Parece haver ali um toque de subtileza, porque é sintomático ser um comércio só lembrado por mulheres. Ou não?

Também, né?, se a pessoa chega à casa e não sabe se o emprego amanhã deixa de existir, ora, a verticalidade debaixo dos lençóis acaba ficando um pouco chocha, não é verdade? Pronto, mas há sinais de esperança. Um deles pode ser a vinda do Avô Kitoko nos próximos dias, um curandeiro de primeira linha. Sendo do tipo cura tudo, quem sabe… E não sei se por medo já ou quê, mas o locutor anunciou-o “doutor”, um termo que nos écrans pertence aos engravatados comentadores, juristas, licenciados que dão aulas e aos dirigentes.

Até parece que vários estabelecimentos privados resolveram competir de quem encerra primeiro. Cresce o número de vitrinas vestidas de opaco por jornais velhos. A falência agora é lei. Hoje mesmo constatei a falta de bom senso que foi a falência da Bom senso, a clínica de fisioterapia (padrão europeu) do Kali, da selecção. Tive de ir aos chineses para me passarem a mão numa lesão por distensão muscular nas costelas. Já me tinham dito que os orientais confundem pessoas com tapetes, pelo que me deitei já desconfiado. E não é que a meio da sessão senti a gaja pronta a marchar-me sobre o tronco... “Amiga! Pisar, não, caramba!”

Voltando ao principal. O mais profundo sinal de esperança vi esta tarde, talvez o mais profético e poético do que qualquer discurso tecnocrata, demagogo, ou coisa que o valha. Quando eu vi em uma loja um relógio a custar acima de três milhões de kwanzas (USD 10 mil ao câmbio da rua), algo surreal numa cidade em que grandes lojas esgotaram o stock de ovos, a metalinguagem traduziu logo o simbolismo da intenção: não estava à venda o relógio mas sim o sonho. Três milhões eram o preço do sonho de tudo voltar ao normal. Aliás, como escreveu o poeta Abreu Paxe, “o tempo é a medida de precariedade de todas as coisas”.

Gociante Patissa, Benguela, 19 Abril 2016

terça-feira, 19 de abril de 2016

[Oficina] Crónica | Onde andará o velho Resedá?

Texto de Elisabete Calmon, Brasil

Árvore da minha e da infância do meu pai. Plantada pela minha avó. Naquele tempo as árvores faziam parte das famílias e a gente ia nomeando as casas da lembrança por suas flores e frutos.

Havia na vizinhança a casa da Caramboleira, que generosa oferecia frutas logo ali, no muro do meu quintal. Do lado, a casa da Goiabeira e logo depois a casa das Avencas e do Carnaval. A da Acácia amarela ficava do outro lado da calçada e era nela que as cigarras orquestravam a sonata do entardecer.

Quase no final da rua a majestosa casa das Jaqueiras. Sim, Jaqueiras porque eram três, as fruteiras e os moradores. Velhinhos, de cabelos brancos, sempre nas janelas, um em cada uma, quase imóveis, vendo a vida passar.

Eu imaginava que ali era a Casa do Tempo, um lugar tão distante, inalcançável para o olhar de uma criança. Um tempo que só hoje pude encontrar. Sim, eu agora também fico nas janelas, dezenas delas, tantas quanto eu quiser abrir. São janelas virtuais, telas de um celular, de um laptop, de um computador...

Janelas onde vejo e sou vista, no silêncio da escrita que brota de cada um de nós. Janelas sem flores nem frutos, sem perfumes e sem sabores. Das antigas janelas, só restou o vidro. Onde andará o velho Resedá?

[Oficina] Crónica | Fui vê-la à cozinha

Texto de Lauriano Tchoia
Luanda, 19.04.2016
Ficha tripla e conexões, cama, beata de cigarro e uma chávena de café fazendo a tralha pelo quarto comum. Estava chamada por dentro uma autêntica reserva natural ao desarrume, era a bagunça em desfile enquanto eu não me desfizesse daí.

Nove horas, manhã de um dia chuvoso e o sol que não quer chamejar assiste desde a órbita o empenho da dona de casa.

Cama quase vazia, apenas eu teimando abraçar o meu direito ao descanso, merecido ou não, ninguém para confirmar! Candeeiro ainda aceso sobre a banca e o laptop no seu corpo distraído sobre a cama, ia fazendo de mim o utilizador emérito na execução gráfica do desfile de contos que me vêm do cérebro.

“Filho vá ao banho que o pequeno almoço já está servido”. Ela interrompe, deixa o perfume, um sorriso no ar e sai, depois de selar em mim, um beijo nos lábios e na testa. Adorei!
Dado o sim a concordar em voz viva, um abanar afirmativo da cabeça, antes, porém, uma revisão à frase do meu texto:

...emprestará o calor para uma viagem calma e sólida para as terras Lundas, passando por Xamuteba, com o pensamento firme ao propósito que nos levava as terras de Muantianvua. Denuncia de tragédias liam-se na estrada, pelo amontoar de malogradas viaturas inertes sobre o solo...  (fiz uma pausa a mando do mouse, tinha de sair dai).

Para desfazer-me da preguiça o banho foi o santo remédio, valeram os copos de ontem no Jango Veleiro para abrir o apetite de hoje e o caldo sobre a mesa ser devorado num ápice, deixando no final o sabor meio amargo do gindungo sobre o céu da boca.

Não resisti, fui vê-la à cozinha. Empenhada sobre o fogão, cheiro gostoso do molho atirado para o ar. No forno desfilavam doces que faziam a delícia da família, enquanto o suor caía-lhe levezinho do rosto.

Parei e olhei firme para ela, um “zum-zum” alhei me dizia que era entre estas mãos de fada que a vida da família se fazia.

Aproximei-me, pedi que fechasse os olhos (via-a mais bela), era uma visita de cortesia que eu fazia ao seu canto, fluí meus dedinhos da testa aos lábios, o meu beijo colou no seu ombro entre a alça da blusa e o pescoço, de seguida a minha voz no seu ouvido disse-lhe:

“És a mulher que Deus me deu”!

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Just a question | O coelho e a raposa?

A chuva cai sobre Benguela agora, depois de não ter feito outra coisa em Luanda na tarde de hoje, a ponto de obrigar aviões a divergirem ou para a Catumbela, ou para o Congo. Estive a pensar, se em Luanda a grande dor de cabeça das cheias no asfalto residem num "coelho" em forma de lagoa - e tendo em conta a vizinhança nas fábulas - o que teremos amanhã, uma "raposa"?

Citação

“Gosto dele. Ele até é um jogador brioso e lutador, mas isso só não chega; é preciso ter talento.” (António Alegre, comentador desportivo, a propósito de alguém do girabola. Programa Domingo Desportivo, TPA, 17.04.2016)

Teatro da vida real

ACTO # 1
Alguém sabe que passo tomar quando por duas vezes o aparelho multicaixa/multibanco nos diz que não é possível completar a operação mas ainda assim taxou/descontou o valor na conta bancária? Perdi 18 mil kwanzas esta noite na tentativa de levantar recarga Unitel de 9 mil kwanzas para o meu dispositivo de internet. Quando penso no sacrifício por que passo para conseguir tal valor...

ACTO # 2
Como pela manhã a rede de multicaixas esteve sem sistema, fui ao BCI ali do jardim. Daquele aparelho de ordem de chegada tirei a senha correspondente ao atendimento geral, mas como passados dez minutos nunca mais chamavam, sendo por ironia a minha a senha número um, fui espreitar à porta de uma secção ao lado dos balcões. Atendeu-me um jovem muito talentoso em despachar, também ralhava muito bem, por acaso. Orientou que saísse logo e solicitasse segunda via dos recibos, e eu a julgar que verificaria o extracto. Bom, aí luta mais luta com a maquineta. Resultado: o dinheiro não voltou para a conta mas acabei sacando dois recibos de recarga Unitel de 9 mil kwanzas, de sorte que até já estou a pensar em pedir uma dispensa de uns dias ao patrão para ver se monto uma tenda para revender o saldo. Porque 18 mil também é muito! Haka! Mba ainda é aonde chegamos. Grato pelo apoio de ontem.

domingo, 17 de abril de 2016

Nota solta | Uma curta lágrima

Quando você decide pousar a caneta para uns meses indeterminados de defeso, talvez para ficar-se só por coisinhas ligeiras, um dia destes você recebe "cartinhas" de "gigantes" como António Fonseca a dizerem que voltaram a narrar um conto popular enviado há uns quatro anos ao Antologia, o mais antigo espaço cultural da Rádio Nacional (quase 40 anos no ar), que esperam por mais... Até a pessoa por acaso deita uma curta lágrima se calhar de gratidão pelo amparo. Você já agradece e promete recolher mais oratura e dar tratamento. Mas por outro lado, não será uma conspiração do destino juntamente com esses kotas contra o direito de um gajo à preguiça criativa?

Nota solta | No limite da paciência

Com o respeito devido, passo para lembrar aos bem-intencionados que me irrita bastante ser adicionado a grupos sem me consultar, muitos dos quais nada têem a ver comigo, com as minhas convicções ou actividades. Para este tipo de esforço, a forma de retribuir é uma: MERDA, PÁ! Era só isso, obrigado

sábado, 16 de abril de 2016

[Oficina] Crónica | Entre o “leite moça”, o carro e a dúvida em continuar a jogar à bola!

Texto de Lauriano Tchoia
Luanda, 16.04.2016
Ainda o ano que nos orgulhava por nobre estágio. Estávamos a passos curtos da independência de setenta e cinco em Novembro.

Um estrondo! Era o anunciar de uma trovoada. Mais tarde soube-se que não era nada disso. A lógica trazia novamente tanques de guerra, o ilustre “monacaxito” e canhões de longo alcance auto-propulsionados, seguindo o curso da serpente negra, sentido norte-sul.

Citação

"Existe a nova geração partidária: estão convosco, militam, podem contar com os seus votos, mas não por ideologia nem por gosto; eles só fazem porque carregam o partido no bolso"

(Kid Mc, rapper angolano. Trecho da música "O apagar da esperança". Mad Tapes, Luanda. 2015)

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Diário | E não almoça o seu conceito porquê?!

“Ó meu caro amigo, você me desculpe, mas isso está a me fazer um bocado de confusão! É já a terceira vez só essa semana que o senhor vem cá almoçar prato do dia.”
“E daí, com o devido respeito, mas qual é o problema?”
“O problema é mesmo tu vires aqui comer constantemente…”
“Mas isto aqui não é um restaurante? Não é lugar livre para quem consome e paga? Diz-me lá, mas o quê que me proíbe?!”
“Como assim, ‘o quê que me proíbe?’ Ainda perguntas? Vou ser directo. O senhor também não é dono de um restaurante? Lá também não servem almoços?”
“Sim, mas eu gosto dos pratos do dia daqui. Anteontem foi feijoada. Ontem foi carapau grelhado com banana cozida e molho de cebola picada. Hoje é joaquinzinho, o nosso ‘kasombosombo’, fresco frito com molho de tomate, amanhã é pirão…”
“E no teu restaurante servem pedras no prato? Não dá para comer?”
“Lá esta semana é tudo chique: lasanha, sushi, tornedó, bacalhaus e pratos franceses… É um negócio para grandes famílias, um segmento de clientes que se prezem…”
“Viva! Muito bom. É um nível altamente! Só uma curiosidade: quem elabora o conceito gastronómico do teu negócio?”
“O amigo deve saber que sou muito viajado, modéstia à parte. O conceito é meu.”
“E não almoça o seu conceito porquê?!”
“Mas esta pergunta não faz sentido. Eu mereço ser tratado como cliente normal, só isso. Não peço mais nada, por amor de Deus…”
“Você não sabe que estamos em crise económica, que as importações encravaram, que os armazéns andam caquéticos? Quer dizer, vens cá comer todos os dias para dar cabo da minha despensa a ver se o meu negócio vai à falência e passo a comer as gordurosidades do teu restaurante, não é isso?
GP, Benguela, 16.04.2016

Excertos | A crítica das literaturas africanas

A recepção das literaturas africanas na Europa recua ao século XIX, altura em que cientistas e exploradores europeus começaram a ibteressar-se pelas respectivas literaturas orais com o intuito de, através delas, desvendarem o pensamento (tradicional) africano (...) 

Não obstante o seu esforço para dignificarem a cultura africana, apresentada por vezes de forma idealizada, como acontece com Frobenius, o certo é que pouca atenção prestaram aos aspectos meramente estéticos, lado pelo qual essas literaturas, em ambientes ocidentais, poderão abandonar o estigma etnográfico e, num plano de maior igualdade, granjear públicos mais alargados (...) 

Só que o que torna, na verdade, um texto africano mais dramático pode não interessar propriamente ao leitor europeu ou ocidental. Várias são as razões deste possível desinteresse. Para além do "mistério" e/ou do "exotismo' que África possa suscitar junto dos ocidentais, a má consciência, experimentada sobretudo nas antigas metrópoles, em relação aos efeitos nefastos do colonialismo e do neo-colonialismo é, certamente, outra razão importante. São fenómenos que respondem, em última instância, quer pela miséria que grassa por esses quotidianos, quer pela inépcia ou falta de vontade dos líderes africanos em combatê-la.

(José Carlos Venâncio, in "Maka- revista de literatura e artes", vol 1, n.°1, págs. 67-68. União dos Escritores Angolanos, Luanda, 2010.)

Diário | E o senhor é jurista?

"Bem, caros convidados, daqui ao pouco o nosso debate vai ao ar. Poderemos ter intervenção de ouvintes via telefone."
"Estamos prontos, caro senhor jornalista."
"Ora, a si já conheço e... a si também. Desculpe-me senhor que vem pela instituição X: no seu caso, como quer lhe apresente?"
"Vou falar na qualidade de jurista... sem problema nenhum!!!"
"E o senhor é jurista?"
"Bem, eu trabalho na Associação como relações públicas, às vezes estafeta, e auxilio na secretaria com arquivos documentais..."
"E qual é a sua formação?"
"Estou a concluir o Médio, mas ainda dei uma pausa."
"Então o senhor não é jurista mas pode falar na qualidade de jurista?"
"A minha esposa é bacharel em Direito..."
"Pronto, não tem problema, vou-lhe tratar pelo nome."
"Você é que sabe."
GP, Benguela, 15.04.2016 (Adaptação)

[Oficina] Crónica | Se sorriam ou não, que nos deixassem apenas jogar à bola

Texto de Lauriano Tchoia
Luanda, 14.04.2016
Eram nervosos e vinham para ajudar, ...dizia-se.

Decorria o ano que nos orgulhava por nobre estágio, pois estávamos a passos curtos da independência de setenta e cinco em Novembro.

A caravana passava por nós, numa Kahála qualquer do meu mapa de miúdo. Homens brancos de tom vermelha na pele camuflada em farda sobre tanques, sinais de guerra. Era o filme que se despregara da tela e vinha até mim.

Entre o medo e a curiosidade, eu queria ver o que era uma guerra de verdade. Expectativas mais de mil!

quinta-feira, 14 de abril de 2016

[Oficina] Crónica | O Largo d’África

Texto de
Júlio Novadi Dimas Teixeira
Benguela, 17.02.2016
O Largo d’África é um recinto maravilhoso, o estômago da cidade de Benguela alimentando a vida cultural da cidade. Localiza-se num organismo bastante agitado e faz fronteira com algumas regiões importantes.

É um velho que tem na memória a geração passada e os romances dos apaixonados que frequentavam o Cine Monumental. Ao mesmo tempo, é um moço cada vez mais novo e actualizado, pois frequentemente tem a sua casa visitada por actividades empreendedoras, festivais e culturais quer de entidades nacionais quer internacionais: shows, feiras, carnaval, etc…

Os seus pêlos são verdes, os seus pés esticados, um no Restaurante Fininho, o outro na Boutique Masmorra onde se avista o semáforo. As suas mãos tocam o tribunal e a administração; os seus olhos vêem a agitação do BPC e da Identificação.

O Largo d’África em Benguela é famoso como o Pepetela e alberga jovens namorados e grupos de pares que o visitam em qualquer período. Está bem situado e sempre bem vestido com as lindas donzelas, que percorrem a sua pele, deixando o seu perfume no ar.
____________________
Nota do Blog Angodebates: No ano em que completa o 10.º aniversário, o nosso Blog lançou um desafio de crescer junto com os seus leitores, abrindo para o efeito uma oficina para a divulgação de contos, crónicas e poesia de autores com ou sem livros. Como é natural, teremos colaboradores principiantes, pelo que lá onde for necessário, a gestão editorial do Blog fará ou sugerirá arranjo. O que esperamos é no futuro olhar para o primeiro texto de cada colaborador e festejarmos o progresso que for alcançando.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Crónica | DIA DO BEIJO?

Milhares de publicações pelo facebook lembram-nos que hoje é o dia do beijo. Nas fotos que aparecem, vemos casais "comendo" lábios uns dos outros. Chama a atenção uma foto em particular que tem como cenário um estádio desportivo engalanado a vermelho, repleto de pares aos beijos, não se sabendo para já se foi algo do tipo beijar compulsivamente, não importa quem, ou se foi somente mais uma daquelas operações de multiplicar figurantes pelo poder digital do photoshop. Seja como for, a mensagem passou. Não custa daí inferir-se mais uma estratégia de vender produtos, uma mensagem claramente dirigida aos bolsos dos namorados. Aos irmãos, aos amigos, aos conhecidos, nada. Tanto mais que nem o beijo mais conhecido, o de judas, é referenciado no pacote festivo. Assim sendo, se o objectivo é vender, podiam bem simbolizar este dia do beijo, o tão celebrado linguado, com os seus assessórios inseparaveis, no caso a escova, a pasta de dentes, o elixir, o fio dentífrico (porque o dental passa por outro tipo de "gengivas" mais proximas da cintura). Sim, porque não se pode fazer apologia de beijos sem falar da higiene bucal, pelas razões mais fedorentas que a biologia permite. Então, vai um beijo?

Gociante Patissa, Benguela, 13 Abril 2016
www.angodebates.blogspot.com

Trecho | Literaturas africanas, instâncias de legitimação e crítica literária

(...) A esta capacidade para perpecionar e muitas vezes vivenciar as dinâmicas a que as sociedades ocidentais estão sujeitas corresponde ou pode corresponder um desapego em relação às sociedades a que pertencem, o que, ao acontecer, acaba por contribuir para a desestruturação e para o enfraquecimento dos correspondentes "mundos da arte" ou da "literatura". Uma das consequências mais usuais de tal fragilidade tem sido a dependência, material e estético-simbólica, em relação aos " mundos da arte e da literatura" dos países mais desenvolvidos. Estes são, em muitas das circunstâncias -- até porque de permeio se coloca um factor que é paradoxalmente de aproximação, a da língua da colonização -- as antigas metrópoles. Assiste-se, desta forma, à transferência das instâncias de legitimação estética do que é localmente produzido para as antigas metrópoles coloniais. Em consequência, prolonga-se a relação colonial com uma agravante: a própria criatividade, na expectativa deste reconhecimento, acaba, também ela, por se submeter aos requisitos das instâncias de legitimação com óbvias perdas em termos de autenticidade cultural e estética, para o que é produzido. Os referentes dessa produção são outros que não as fronteiras dos respectivos países, relevadas como o principal enquadramento estético durante a vigência do paradigma nacionalista, isto é, entre os 1930 e os anos 1990 do século passado.
(José Carlos Venâncio, in "Maka- revista de literatura e artes", vol 1, n.°1, págs. 65-66. União dos Escritores Angolanos, Luanda, 2010.)

(arquivo) Nota solta | Os mandatos e o descrédito

A polémica recente sobre a expiração do mandato da direcção do Conselho Nacional de Comunicação Social (CNCS), que já soma para aí seis anos, vem engrossar apenas a tendência (que parece inata em nós,  angolanos) de aversão às sucessões. Como é previsível, não faltam justificações para se manter a situação, recaindo quase sempre "a culpa" a factores externos (ausência de leis, ausência de quadros capazes, etc.). O CNCS, que pela sua natureza não se encaixa bem no pacote da sociedade civil, pois inclui representantes de partidos políticos também, não tem um quadro tão longe, entretanto, do que ocorre em grupos organizacionais mais cooperativistas. Nada tendo contra pessoas, faz-me um pouco de confusão que determinadas individualidades se queiram confundir com as instituições e que, ainda assim, se julguem incólumes em criticar a falta de transparência, de rotatividade e de democracia... de suas portas para fora. A lista de exemplos é ilimitada, as motivações são difíceis de perceber. Conheço um respeitável pedagogo desde 2001 e até hoje continua líder da sua ONG. Conheço outro super sindicalista que é praticamente especialista em "listas únicas" eleitorais e manutenção de mandatos. Muitas ONG's faliram precisamente por esta visão "empresarial privada" que degenera do espírito de voluntariado, pelo que se tem de elogiar aquelas que conseguem sobreviver nesta fórmula "estanque". Mas todo o descrédito só pode ficar à vista, principalmente quando o altruísmo atinge o efeito "placebo", tendo em conta as vantagens materiais a que se tem acesso, onde os estatutos e os ideais de partida repousam quais múmias.
Gociante Patissa, Benguela 13.04.15
www.angodebates.blogspot.com

terça-feira, 12 de abril de 2016

já disponível no KERO Benguela e Lobito: ANGOLA 40 ANOS | 40 CONTOS | 40 AUTORES, antologia editada pela Mayamba 2016. Gociante Patissa participa com o conto O HOMEM QUE PLANTAVA AVES. 378 páginas. Preço 3 mil kwanzas.

Diário | Qual futuro, homem, futuro de quê?

“Mas, ó mano Vano, eu já não te falei para você não andar vir me procurar mais?!”
“Isso mais que estás a falar é como é que é?”
“Será que na vossa casa não tem televisão? Eu não posso todos os dias deixar de fazer jantar, não lavar a louça, para vir te atender, ouviste? Não vamos só se complicar, ya?”
“Ehh…, vejamos…”
“A essa hora, os outros estão a ver telejornal, depois é novela, depois é sessão da meia-noite; você se põe no caminho para vir conquistar uma mulher com quatro meses e metade?”
“Você não entende quase nada da vida, e é isso que gosto em ti, cada vez adoro mais…”
“Apaga ainda esse cigarro, faz favor.”
“Te incomoda?”
“Assim vou falar quê, hã?! Ainda me fala só… Esse dinheiro que gastas no tabaco ainda podias só comprar um par de chinelos em condições. Olha só o calcanhar como está empoeirado, ó mano Vano.”
“Ouve o fundo da questão, ó minha benquista, e isso é difícil porque você mesmo sabe que os homens… ora… não são lá bons sentimentais, né? Mas é assim, esse ponto que reclamas, para mim não influi… O filho que vai nascer ou o titular da gravidez que fugiu, para mim é pacífico.”
“Ainda não dá só muitas voltas, homem, me ouve. Haka!, ó coiso, você acha mesmo juízo conquistar uma mulher com cinco meses de uma gravidez que não te pertence?”
“Mas você não é a gravidez, ó amável. Você é uma constante, uma constelação de sorrisos, afectos, enfim, um paiol de aconchegos que o futuro me reserva…”
“Qual futuro, homem, futuro de quê?”
“Mas eu te amo!”
“Mas você não tem o direito de me amar!”
GP. 12.04.2016, Aeroporto Internacional da Catumbela

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Árvore de pedra, bacia da mini hídrica do Alto Cubal (10.ª da série "Um sábado diferente no Cubal")

A 6 km da vila fica a mini-hídrica do Alto Cubal, que está em obra. A vista é bastante generosa para olhos amantes do belo (9.ª da série "Um sábado diferente no Cubal")

A caminho da barragem do Lomaum (8.ª da série "Um sábado diferente no Cubal")

Barragem do Lomaum, alubfeira e respectiva sala de comandos (6.ª e 7.ª da série "Um sábado diferente no Cubal")

Aúdio mesa redonda | O PAPEL DA JUVENTUDE NA PRESERVAÇÃO DA PAZ (54 min.)

No dia 31.03.2016, o programa Canal Jovem, conduzido por Ananias Bento, na Rádio Lobito, província de Benguela, acolheu a mesa-redonda com a duração de 54 minutos sobre "o papel da juventude na preservação da paz", tendo convidado o professor universitário David Calivala, o secretário da JMPLA para a informação, Rufino Cambu, e o escritor e activista social Gociante Patissa. A sessão teve como contexto a véspera do 4 de Abril, dia da assinatura dos acordos de Paz entre as Forças do Governo de Angola e a Unita (até então exército rebelde de guerrilha)

domingo, 10 de abril de 2016

Palancas se calhar arco-íris do amanhã (5.ª da série "Um sábado diferente no Cubal")

Património transversal (4.ª da série "Um sábado diferente no Cubal")

A cidade veste-se de chuvas ao entardecer (3.ª da série "Um sábado diferente no Cubal")

Dormente substituto do mar (2.ª da série "Um sábado diferente no Cubal")

A piscina do Ferrovia (do Caminho do Ferro de Benguela), herdada do período colonial, é um importante ponto multi-usos de animação da vida da vila do Cubal, desprovida de mar, pelo que juntamos a nossa voz às que defendem a sua reabilitação e consequente rentabilização no quadro dos investimentos públicos. Durante a nossa passagem por ali, observámos a dedicação de alguns jovens na preparação de futuros modelos/manequins, levando crianças e adolescentes a praticarem desfile em passerelle ao som de um improvisado rádio-receptor.